Votação do Quarto Concurso

Os textos selecionados estão a seguir. Recebi ao total 49 textos, um mais legal do que o outro. Parabéns e obrigada a todos! No final desta postagem, vote no seu preferido. O resultado sai no dia 7 de junho. O mais votado ganha “Todos os Fogos o Fogo”, de Cortázar. Boa sorte a todos!

LOUCURA

Entre o sono e a vigília, remontei a trajetória da existência. Diversos quadros que, mesmo distantes, permaneciam dinâmicos e gritando dentro de mim. A contenda se situava nas escolhas pretéritas, no desenrolar dos desejos, na anulação dos frêmitos, na incompletude de ser. E, ao recuar no tempo, mais compreendia o que não era meu e, desse modo, violentava-me compulsoriamente, como se não houvesse mais alternativas. E sem experiência nova que alçasse voo futuro, o que se tinha era uma matéria plasmada no vazio.

(Jéferson Dantas)

Vida enlouquece loucura

Acordamos.

Seguimos metodicamente um inflexível roteiro diário de trabalho de estudos de relações de julgamentos de xingamentos de excrementos de aborrecimentos de maldições exigido por uma sociedade socialmente social socializante socializadora.

Comemos e dormimos.

Acumulamos comida em nossos estômagos em grande quantidade para ser digerida percorrendo nosso ventre nossas mentes até se materializar em merda assim como acumulamos dinheiro que é merda que vira merda merda e merdas para depois encostarmos nossos crânios em travesseiros de pena de ganso de pena de galinha de pena de nós mesmos achando que vivemos e não corremos que vivemos e não sofremos que vivemos e não enlouquecemos que vivemos essa vida e que isso não é loucura.

(Murilo Reis)

Sugou um balão de gás hélio na festa da empresa.

Fez mira e foi em direção a chefe do chefe do seu supervisor, que bebia espumante sozinha.

Plano divulgado, aposta feita e expectativas em alta.

Faltava a distância de uma capivara e meia, quando pensou na filha.

Sentou e suspirou com voz do Pato Donald.

(Jin Nunes)

Ignorância

Mal sabem sobre tudo o que acontece aqui dentro. Sobre quando saio voando e mergulho e nado e rodopio e corro e me dissolvo e volto a me formar num universo de sentidos que sinto sem medida. Mal sabem sobre todas as pessoas que eu conheço ou sobre quando sou alguma delas, ou todas, e as histórias que vivemos e os lugares para onde vamos e voltamos sem que ninguém perceba. Mal sabem que quando explodo num suspiro perto do ouvido de alguém só quero expressar aquilo que, de tão claro, não é visto.

E se então me acusam de gritar feito uma louca, sigo sem entender onde está a sanidade em engolir a vida num silêncio oco e seco.

(Cecília Oliveira)

Que não te tinhas sal, que em ti não sentias o doce. Ponderado, obtuso, excluso.

No ofício um começo, novo vertiginoso.

Detento do navio onde eras capitão e tripulação, até o naufrágio em exato chute bicudo, gritaras e urraras e não se lia. Ardia. Um dia.

Dois

Três

Minutos e o susto.

(Luiz Augusto Estacheski)

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Distrações

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s