Arquivo do dia: 16/10/2013

Ele desenhou um sorriso em mim

Ícaro é desenhista.

Eu acredito que algumas pessoas se transformam em desenhistas porque o mundo é pequeno demais para elas. Então, é preciso desenhar algumas portas e janelas – mesmo que imaginárias, feitas de lápis 6B. Este é o caso de Ícaro. Para ele, o mundo estava cinzento demais, pequeno demais, engraçado de menos. Aí, resolveu que ele mesmo ia estender seu mundo munido de lápis, papel e olhos arregalados.

Não sei ao certo como me apaixonei por ele, mas sei que posso culpar os olhos escuros dele. Ícaro tem olhos amendoados, que são protegidos por negras sobrancelhas e óculos de grau. Ele é um desenhista barbudo, sorridente e gentil. E os olhos dele não são ariscos como os da maioria das pessoas.

Percebo que as pessoas ao meu redor têm medo de encarar olhares seguros e demorados. É como se ficassem desconfortáveis, como se doesse. E Ícaro não está nem aí que seu olhar vai incomodar as pessoas – ele olha bem no olho dos outros, procurando talvez o desenho da íris. O desenho de Ícaro começa quando ele olha muito para uma coisa. Não existe escapatória.

Antes do nosso primeiro beijo, ele chegou em mim e me deu esse olhar denso. É claro que desviei os olhos, tentei fugir. Mas não deu outra: uns dias depois ele foi lá e me desenhou. Eu ainda não existia na versão de desenho e achei o máximo. Me prefiro no papel do que de carne, osso e pensamentos. Eu me apaixonei pelo mundo que Ícaro desenhou para mim.

Quando estou triste, Ícaro percebe antes de mim. Ele interpreta o meu rosto antes do meu espelho. Ele percebe quando ganho um tracinho de tristeza – aquele que mora nas sobrancelhas e nos olhos. Ele nota quando uma violeta aparece nas minhas pálpebras. Muitas vezes, ele resolveu desenhar em mim gargalhadas que eu nem sabia que tinha. Me fez chorar de rir, e guardou essa felicidade como quem guarda um mapa valioso para um lugar que só ele conhece.

O talento de Ícaro para o desenho nasceu, acredito eu, da sua frustração diante da falta de imaginação de alguns elementos mundanos. O mundo, através da imaginação de Ícaro, é muito mais bonito, colorido, funcional e espontâneo. Eu amo os jardins com escadas que ele fantasia.

O meu sonho é que Ícaro desenhe uma casa para nós dois e que a gente se mude para lá, no papel mesmo. Imagino que esta casa seja em cima de uma gigantesca árvore, e que nossa cama seja feita das cores mais bonitas que ele conseguir inventar. Eu quero muito morar nos traços dele, quero abrir todas as manhãs a janela que Ícaro imaginou para mim. Eu quero receber o carinho dos raios do sol de Ícaro. Eu quero, mais do que tudo, que meus vestidos tenhas as flores que ele sabe desenhar. Eu desejo que o traço dele nunca enjoe do meu rosto.

Deixe um comentário

Arquivado em Repórter distraída